fbpx
terça-feira, julho 16, 2024
Cadeia do Frio e LogísticaDestaqueNotícias

Controle de contaminantes em docas: especialista explica práticas colaborativas

Soluções como abrigos de docas que acoplam ao baú de caminhões, monitoramento de temperatura e treinamento de colaboradores são essenciais para manter qualidade dos produtos

O compromisso das indústrias em manter a qualidade na produção de insumos, matéria-prima, alimentos, é desafiador, mas o trabalho criterioso com soluções e seguindo os protocolos de segurança, colabora no que provavelmente chegará ao consumidor final. Dados do Ministério da Saúde, no Brasil, entre de 2007 e 2020, foram notificados, uma média anual de 662 surtos de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA). É crucial que todos os envolvidos na produção de produtos alimentares, compreendam que a solução está em inovações e melhorias em todos os processos da cadeia produtiva, da colheita, seleção dos insumos, manuseio, embalagem e transporte.

Giordania Tavares, CEO da Rayflex, comenta que as indústrias precisam inserir soluções nos bastidores que facilitem a operação, e assegurem o que está sendo produzido. As soluções desenvolvidas pela empresa, elevam a segurança anti-contaminação, como as portas rápidas que funcionam sem a necessidade de toque humano ao abrir e fechar, uma vez que contam com tecnologia integrada que reconhece movimentações, com isso, o ambiente fica menos tempo aberto. “Essa é uma forma que apresentamos nossas funcionalidades estratégicas para o sucesso dos nossos clientes. É um trabalho em conjunto para garantir que cada etapa do processo esteja conforme os padrões de segurança”, comenta a executiva.

Seguindo para o processo logístico, que é indispensável, a gestão das docas de carregamento e descarregamento. A escolha de abrigos de doca que veda o espaço enquanto as portas permanecem abertas para o deslocamento dos produtos, acomoda perfeitamente o baú do caminhão, minimizando assim a troca de ar entre ambientes externos e internos. Outro ponto importante é a escolha de soluções integradas que sinalizem o controle de temperatura. “Por se tratar de segurança no produto que será consumido, não se pode limitar investimentos em tecnologias, ir além, as portas rápidas dentro da produção da indústria, é uma das primeiras barreiras contra a contaminação, para que o ambiente interno permaneça protegido durante as operações de carga e descarga”, afirma.

Assim como a necessidade de implementar tecnologias e soluções inovadoras, investir no conhecimento e treinamento dos colaboradores da operação faz parte do processo. Conhecimento sobre práticas de higiene, utilização de materiais corretos, funcionalidade de equipamentos são essenciais. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×