fbpx
quinta-feira, maio 23, 2024
DestaqueMicrobiologia

Anticorpo monoclonal: de que forma este evoluiu no combate a doenças autoimunes e células cancerígenas

Trata-se de uma classe de anticorpos produzidos a partir de uma única célula mãe, portanto são clones e contêm as mesmas informações genéticas. Eles são gerados por meio de técnicas de engenharia genética para reconhecerem e se ligarem a antígenos específicos. Em geral, são produzidos a partir da imunização de camundongos com o antígeno de interesse.

De um anticorpo monoclonal inovador, disponível comercialmente e que tenha perdido sua patente, são extraídas as informações genéticas que serão incorporadas em outra célula receptora. Depois de algumas etapas, a célula receptora (CHO) vai adquirir capacidade de produzir um anticorpo de interesse. A célula capaz de produzir o anticorpo é replicada, gerando uma população de células idênticas com capacidade de produzir o anticorpo.

Para ser utilizado em seres humanos, é preciso usar técnicas de DNA recombinante com o objetivo de humanizar esses anticorpos. Cerca de 97% da estrutura do anticorpo pode ser substituída por sequências mais comuns nos seres humanos, o que reduz as reações imunológicas.

O avanço no desenvolvimento de medicamentos biológicos, principalmente dos anticorpos monoclonais, ocorrido nos últimos 20 anos possibilitou uma revolução nos tratamentos de algumas doenças. Por se tratar de uma terapia-alvo, esses anticorpos podem atuar em mecanismos fisiopatológicos específicos, antes inacessíveis aos medicamentos sintéticos.

Destacam-se entre as áreas mais beneficiadas a reumatologia, onde o uso de anticorpos possibilitou o tratamento de formas graves de doenças crônicas, como a artrite reumatoide, com impacto significativo da qualidade de vida. Na oncologia, o uso de anticorpos monoclonais possibilitou aumentar a taxa de cura de muitos tumores, assim como aumentar a sobrevida e a qualidade de vida quando usados em casos avançados.


CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO e entenda as etapas de desenvolvimento e de fabricação de um medicamento biossimilar à base de anticorpo monoclonal:

 

IMAGEM

 

Sobre a Libbs Farmacêutica

A Libbs é uma indústria farmacêutica brasileira 100% nacional, que está no mercado há 58 anos e conta com cerca de 2500 colaboradores. Atualmente, ocupa o 9º lugar no ranking do varejo farmacêutico com maior valor de mercado. A companhia investe 17% de seu faturamento entre P&D e inovação e comercializa 87 marcas em mais de 195 apresentações de medicamentos, distribuídos nas seguintes especialidades: cardiovascular, ginecologia, oncologia, dermatologia, respiratória, transplantes e sistema nervoso central.

A Libbs foi a primeira indústria farmacêutica a implantar o Sistema Nacional de Controle de Medicamentos (rastreabilidade). Em novembro deste ano, inaugurou sua Biotec, que será responsável pela produção de medicamentos biológicos indicados para tratar câncer e doenças autoimunes, com tecnologia single-use (produção que utiliza biorreatores com bolsas descartáveis). Por entender que tratar da vida vai além de fabricar medicamentos, a empresa também realiza um trabalho de responsabilidade social corporativa com o apoio a projetos educacionais, culturais e esportivos com foco em saúde, educação e qualidade de vida, sempre vinculados à superação de limitações. O propósito da Libbs é contribuir para que as pessoas alcancem uma vida plena e sua aspiração é ser a farmacêutica brasileira mais admirada do mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×