fbpx
segunda-feira, maio 27, 2024
Notícias

Teuto prevê melhor resultado e investe em fábricas

Apesar do ano difícil para a indústria farmacêutica – quando o aumento dos custos dos insumos e o acirramento da competição em preços pressionaram os negócios das empresas -, o laboratório Teuto, de Goiás, conseguiu crescer, ampliar ganhos e segurar as margens em 2013.

Para o ano completo de 2013, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) preliminar é de R$ 165 milhões. No acordo firmado entre Teuto e Pfizer no fim de 2010 – quando a americana comprou 40% das ações do laboratório nacional – foi definido que a Pfizer teria a opção de compra dos 60% restantes somente no ano de 2014. Em 2015, o Teuto tem a opção de venda. Ou seja, se o laboratório nacional decidir vender sua fatia naquele momento, a Pfizer não tem o direto de negar.

No ano, até novembro, o Ebitda do Teuto somou R$ 151 milhões, saltando de uma base baixa de R$ 58 milhões, registrados pela farmacêutica em 2012.

Os resultados finais do Teuto são esperados pelo mercado porque o múltiplo a ser pago pela fatia restante foi fechado em 14,5 vezes o Ebtida, o que significa que, se o número preliminar se confirmar e a companhia americana definir pela aquisição ainda neste ano, a Pfizer poderá ter que desembolsar R$ 1,4 bilhão pela empresa brasileira.

Os números finais de 2013 serão fechados pelo Teuto em dois a três meses e a KPMG vai acabar a auditoria em abril.

Até novembro, o faturamento líquido do Teuto cresceu 46%, para R$ 526,2 milhões. A relação entre Ebitda e as vendas líquidas da empresa ficou em 29%, voltando próximo ao patamar registrado em 2011, quando marcava 26%. O resultado já é melhor também do que o verificado pelo laboratório em 2012, de 16%.

Para diminuir os custos por produto vendido, o Teuto iniciou em 2012 a compra de novas máquinas e a ampliação de sua capacidade produtiva. A intenção era melhorar a produtividade e aumentar os ganhos de escala.

Com R$ 40 milhões investidos, a fábrica de sólidos em Anápolis (GO) ficou pronta no mês passado. A capacidade foi triplicada para 900 milhões de comprimidos por mês. Com a curva de aprendizagem das máquinas e dos funcionários,  a fábrica deverá produzir 750 milhões de comprimidos por mês no fim deste ano.

Além disso, o complexo industrial goiano vai ganhar duas novas fábricas de comprimidos até o fim do ano que vem, com capacidade total de 400 milhões de unidades por mês. Cada prédio receberá R$ 80 milhões.

Fonte: Valor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×