fbpx
quinta-feira, junho 20, 2024
DestaqueInovações tecnológicas

Aplicação dos métodos de cromatografia

A cromatografia é um método analítico usado para o controle de qualidade de ativos e formas farmacêuticas. Atua em várias áreas de atribuição do controle, como na determinação da porcentagem do princípio ativo, na quantificação das impurezas de um produto, na determinação da composição ou formulação de um produto, e também no estudo de estabilidade e degradação de um produto. Desta forma, o controle de qualidade se beneficia ao usar uma técnica que permite obter resultados em curto espaço de tempo (em geral, 1 a 20 minutos) e com alta precisão e exatidão.

Entre as técnicas mais utilizadas estão a Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE) e a Cromatografia em Fase Gasosa (GC). A CLAE é uma técnica físico-química de separação de compostos em que a amostra é introduzida no equipamento através de um injetor. Os compostos dessa amostra são arrastados por uma fase móvel (solventes como metanol, acetonitrila, água e outros) e passam por uma fase chamada estacionária (colunas cromatográficas conhecidas como C18, C8 e outras).

A Cromatografia em Fase Gasosa (CG), é uma técnica físico-química de separação de compostos. O processo é semelhante à CLAE, porém, a fase móvel que arrasta os compostos da amostra é um gás (H2, He, N2 e outros). O equipamento CG é composto de um compartimento de injetor, forno para coluna e detector.

A CLAE tem sido usada para determinação da porcentagem do produto ativo, na quantificação das impurezas de um produto, na determinação da composição ou formulação de um produto, e também no estudo de estabilidade e degradação de um produto. Em alguns casos, tem sido usada também para purificação de princípio ativo, área conhecida como cromatografia líquida preparativa. Outro campo de aplicação é quando usada como ferramenta analítica para descoberta de novos medicamentos ou estudos de bioequivalência”, afirma. A CG em indústrias farmacêuticastem sido usada fundamentalmente para monitoramento de matérias-primas.

A grande vantagem das técnicas cromatográficas está na capacidade de realizar separações e análises quantitativas de um grande número de compostos presentes em vários tipos de amostra, em uma escala de tempo relativamente pequena, com alta resolução, eficiência e sensibilidade. A única desvantagem da cromatografia gasosa seria o fato de ser aplicável somente a amostras voláteis ou volatilizáveis. A Cromatografia Líquida de Alta Eficiência tem uma sensibilidade menor quando comparada à cromatografia gasosa.  A técnicas possibilitam realização de ensaios com resultados de alta confiabilidade, muitas vezes se constituindo em ensaios exclusivos que nenhuma outra técnica realiza.  Por outro lado, o laboratório deve dispor de um investimento na aquisição, manutenção e treinamento dos usuários.

A escolha correta de colunas cromatográficas é etapa importante na montagem do sistema a ser utilizado. O conhecimento da matriz a ser analisada ou o analito a ser detectável/quantificável é ponto de partida para a seleção da fase estacionária (coluna cromatográfica).  Na área farmacêutica existem diretrizes a serem seguidas. A principal refere-se às metodologias encontradas nas farmacopéias, brasileira ou internacionais. Nestas encontram-se recomendações das colunas a serem usadas. Quando o ensaio não está previsto em uma farmacopéia, o usuário pode procurar na literatura (publicações, artigos, manuais e outros), ou então, a escolha pode depender de testes realizados com várias colunas no próprio laboratório. O objetivo sempre será de trabalhar com uma coluna que permita que o sinal obtido do composto de interesse seja exclusivo deste composto. A escolha da coluna cromatográfica deve se basear nas características da amostra (estrutura dos compostos presentes, solubilidade e pKa) e nas diferenças químicas entre os compostos de interesse. Além disso, deve-se levar em consideração a estrutura química da fase estacionária, sua capacidade de retenção, o tamanho de partícula e as dimensões da coluna.

Redação – Portal Boas Práticas

Foto: US Food and Drug Administration

2 thoughts on “Aplicação dos métodos de cromatografia

  • Maria Rita Fernandes de Aguiar Chaves

    Adorei a explicação, no entanto tenho muitas duvidas.
    Qual a metodologia mais adequada para identificar, separar e quantificar polissacarídeos a partir de um extrato etanolico de um fruta.
    Se a analise for em CLAE, precisa de coluna preparativa e qual a coluna analítica mais adequada.

    Obrigada por disponibilizar a oportunidade de fazer um comentario, onde aproveito para tirar minhas duvidas.

    Atenciosamente,

    Maria Rita

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×