fbpx
terça-feira, maio 21, 2024
DestaqueHVAC

Cabines de fluxo unidirecional e cabines de segurança biológica são eficientes para o controle de contaminação

As cabines fluxo unidirecional e cabines de segurança biológica são utilizadas frequentemente nas indústrias das ciências da vida. É observado o uso de ambas, por exemplo, em centros de pesquisas e áreas de manipulação em indústrias farmacêuticas. Na prática,  criam uma área de trabalho estéril e de contenção para a manipulação segura de materiais biológicos ou estéreis, impedindo a sua contaminação por agentes externos.

É comum chamar todos os equipamentos de fluxo unidirecional e as cabines de segurança biológica de “fluxo laminar”. Porém, há diferenças conceituais e normativas. Os equipamentos de fluxo laminar são versao para midias sociaisconstruídos para proteger ‘o que’ estamos manipulando, ou seja, protegem o ‘produto’. Estes equipamentos podem ser de fluxo horizontal ou vertical. Todo ar passa por um pré-filtro, por um filtro HEPA (absoluto) e pelo produto manipulado e sai do equipamento.

As cabines de fluxo unidirecional proporcionam ambientes pequenos, que por sua vez em alguns casos não seria suficiente. Para isso existem as unidades modulares, que são módulos de fluxo unidirecional (laminar) que oferecem a mesma proteção ao produto manipulado, porém para ambientes maiores. São amplamente utilizados para proteção de máquinas de envase de soros, vacinas, enchimento de ampolas, preparo de misturas intravenosas de indústrias alimentícias, nas áreas de envase de iogurtes, sucos, etc.

Já as cabines de segurança biológica são equipamentos construídos e projetados para oferecer proteção ao produto manipulado, ao operador e ao ambiente onde estão inseridas e o fluxo de ar é sempre vertical. Seu projeto, construção e certificação são estabelecidos pela norma NSF 49 (NSF International Standard / American National Standard for Biosafety Cabinetry).

As cabines de Segurança biológica se dividem em três classes: Classe I, Classe II e Classe III.

Classe I: É um dos primeiros equipamentos de segurança biológica projetados. Muito parecido com uma Capela de Exaustão de Gases, com a diferença que apresenta um filtro HEPA na exaustão. Proporciona proteção somente ao operador e ambiente, ficando o produto exposto a contaminação proveniente do ar do laboratório. É conhecido como barreira parcial. Praticamente não mais utilizado nos dias de hoje.

Classe II: É o modelo utilizado em 99% das aplicações com risco biológico. Apresenta além do filtro HEPA de exaustão um filtro HEPA de insuflamento, com isso é garantida a proteção ao produto, ao operador e ao ambiente. É também conhecido com barreira parcial e seu projeto se divide em três tipos principais: Tipo A1, Tipo A2 e Tipo B2, cujos comentários serão feitos a seguir. As cabinas de segurança biológica Classe II são divididas em:

– Tipo A1 (antiga tipo A), com 70% de ar recirculado e 30% de ar exaurido. Para trabalhos com microbiologia de risco moderado.

– Tipo A2 (antiga B3), com 70 % de ar recirculado e 30 % de ar exaurido, porém neste caso para o ambiente externo através de um duto. Para trabalhos que envolvam risco biológico moderado ou que emanem quantidades pequenas de materiais voláteis e vapores.

Tipo B2, com 100% de exaustão, sem recirculação de ar, ou seja, 100% de ar insuflado, mais o ar admitido pela abertura frontal é exaurido para o ambiente externo, passando por Filtro HEPA. É recomendada para trabalhos em tenham agentes biológicos de risco moderado, e também para manipulações que emanem gases e vapores, como por exemplo quimioterápicos (citostáticos). Estas proteções são garantidas pela recirculação do ar dentro dos equipamentos e todo ar que sai é filtrado através de Filtros HEPA, com eficiência mínima de 99,97% para partículas de 0,3 mícrons.

Classe III: É conhecido como barreira total. Este equipamento é hermeticamente fechado e o operador não tem contato direto com o produto. Apresenta um sistema de filtragem de insuflamento composto de dois estágios de filtragem com filtros HEPA e na exaustão podemos ter também dois estágios de filtros HEPA ou um estágio de filtro HEPA e um incenerador.

Redação: Portal Boas Práticas

Foto: Michael J. Ermarth – FDA

One thought on “Cabines de fluxo unidirecional e cabines de segurança biológica são eficientes para o controle de contaminação

  • Maicon Marques

    Olá,

    Gostaria de saber se para Fluxo Laminar, a determinação de pontos de medição de velocidade do fluxo de ar segue a mesma norma de Fluxo Unidirecional “ABNT NBR 15767:2009”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×