fbpx
sábado, junho 15, 2024
Notícias

Médico aponta falta de planejamento na construção de fábrica da Hemobrás

O presidente da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular, Dr. Dimas Tadeu Covas, críticou o projeto da fábrica de hemoderivados da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás),que está sendo construída na cidade de Goiana, em Pernambuco.

Em audiência pública na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), nesta terça-feira (22), o médico disse que a fábrica foi superdimensionada e planejada a revelia dos especialistas do setor.

— Só para dar um exemplo, 60% da matéria-prima que a Hemobrás utiliza é gerada na Região Sudeste e, no entanto, foi construída na Região Nordeste. Isso criou inúmeros problemas de logística e qualidade — disse Dimas Tadeu Covas.

Segundo ele, a estrutura física da fábrica — de 43 mil metros quadrados de área construída— é muito grande para a capacidade de produção anual de 500 mil litros de plasma, quando comparada a outras no mundo que têm a mesma capacidade instalada em área quatro vezes menor.

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), autor do requerimento de realização da audiência pública, lamentou o fato de a fábrica estar com excesso de estoque de plasma em suas câmeras de resfriamento,  com risco de expiração do prazo de validade sem que o produto seja distribuído à rede do SUS.

Teconologia ultrapassada

Caiado criticou também a aquisição pela Hemobrás de tecnologia obsoleta para a produção de fator VIII recombinante, produto utilizado no tratamento de hemofilia do tipo A. De acordo com o Dr. Dimas Tadeu Covas, esse produto não estará, no próximo ano, na lista dos melhores medicamentos para o tratamento da doença.

Situação atual

Oswaldo Cordeiro de Paschoal Castilho, presidente da Hemobrás, apresentou, durante a reunião, a situação atual da empresa. Segundo ele, 71% do projeto da fábrica já foram executados; 60% das aquisições de equipamentos, sistemas e tecnologias já foram feitas; e mais de R$ 1 bilhão já foram investidos na planta em Pernambuco.

A construção dá fábrica, segundo Oswaldo Cordeiro de Paschoal Castilho, está paralisada desde o final do ano passado quando foi deflagrada a Operação Pulso da Polícia Federal, que investigou irregularidades em vários contratos firmados pela Hemobrás.

TCU

O auditor do Tribunal de Contas da União (TCU), Messias Alves Trindade, reconheceu as dificuldades do tribunal para realizar auditorias para avaliar a eficiência do processo produtivo da empresa. Mesmo assim, manifestou concordância com relação à obsolescência da tecnologia francesa de produção de fator VIII recombinante adquirida pela Hemobrás.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×