fbpx
terça-feira, abril 23, 2024
DestaqueIndústria 4.0NotíciasSegurança dos alimentos

Qualidade da carne suína começa com seleção genética dos animais

A busca pelos padrões ideias de gordura intramuscular (marmoreio) dos programas de melhoramento garantem mais sabor e suculência a essa importante proteína

Quando um alimento chega a nossa mesa, muitas vezes em razão da correria do dia a dia, não paramos para analisar todo o processo pelo o qual ele percorreu desde a sua origem. No caso da proteína suína, essa cadeia não deixa de ter suas complexidades, uma vez que a alta qualidade da carne está relacionada a uma série de fatores. O ponto de partida é uma boa genética dos animais, ou seja, características como maciez e sabor da carne são influenciadas pela eficiência dessa seleção aliadas, é claro, a uma dieta balanceada dos suínos.

Soluções Digitais para Você e sua Empresa

Existem algumas características que estão diretamente ligadas à qualidade de carne, como por exemplo, a gordura intramuscular (marmoreio). Essa, quando é muito baixa, deixa a proteína mais seca e menos saborosa. Sendo assim, o programa genético suíço que é referência mundial, estima que a gordura intramuscular na carne suína em relação a sabor é a ideal quando está entre 2,0% a 2,5%. 

Avaliando a porcentagem de gordura intramuscular
Avaliando a porcentagem de gordura intramuscular

De acordo com Beate von Staa, proprietária da Topgen, marca brasileira, especializada em genética suína com mais de 30 anos de experiência, em algumas situações como em degustações às cegas (onde os consumidores não veem a carne), gordura intramuscular acima de 3% geralmente é preferida. No entanto, com esses teores elevados, a gordura é claramente visível na carne o que pode retrair a preferência do consumidor.

Atualmente, no processo de seleção dos animais com foco em qualidade da carne e quantidade ideal de gordura intramuscular, há raças e linhagens escolhidas especificamente para esses aspectos. Falando das raças mais conhecidas no Brasil, pode-se destacar o Duroc como característica de boa gordura intramuscular e o Pietrain para pouca gordura.

Segundo Beate, no programa genético da Suíça são realizados testes com amostras provenientes de progênies de cruzamentos com machos terminadores de três raças diferentes e sempre cruzados com matriz F1 (Landrasse x Largwhite).  “Os resultados mostram animais de pai Duroc com 2,4% de gordura intramuscular, filhos do Premo (linha macho Largewhite desenvolvido na Suíça) com 2,1% e do Pietrain com menos de 2%”, detalha a especialista.    

Importância das fêmeas na seleção

Quando falamos de qualidade de carne, tendemos a pensar apenas no macho terminador (aquele que é usado para gerar os animais de abate.) No entanto, boa parte da informação genética provém das fêmeas. No programa genético suíço, a qualidade da carne suína é algo muito relevante inclusive no melhoramento das linhagens maternas. “Para as matrizes suíças, os resultados para gordura intramuscular são 2,48% para Largewhite e 1,77% para Landrasse”, apontou Beate.

O programa de melhoramento genético usado pela Topgen, segue os mesmos os padrões suíços de seleção. A qualidade almejada é representada por vários indicadores, entre eles a do marmoreio, que conforme já foi ressaltado, é o principal responsável pelo sabor e suculência.  “Em nosso programa, o indicador de gordura intramuscular não pode ser menor que 2%. A qualidade (tipo) da gordura também avaliada é um diferencial”, pontua a especialista.

Na seleção genética, além da qualidade da carne (ou experiência do consumidor), busca-se também a eficiência e a uniformidade. “Queremos, com as nossas linhagens maternas batizadas por “Afrodite®” e “Vênus®”, a eficiência produtiva e reprodutiva para o produtor, a uniformidade e padronização para o frigorífico e, por fim, uma ótima experiência ao consumidor”, finalizou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×