fbpx
domingo, junho 23, 2024
BPFDestaqueEntrevista

Diretor da Projlab fala sobre a montagem de laboratórios de controle de qualidade

O Portal Boas Práticas entrevistou Peterson Berner da Cunha, diretor comercial da Projlab Laboratórios. Ele fala sobre as etapas de projeto para a construção de laboratórios de pesquisa e controle de qualidade (físico-químico e microbiológico), a preocupação com a segurança, as características das redes de utilidades e as normas para os sistemas de exaustão, ventilação, ar condicionado e filtração de ar.

Confira.

Quais as informações básicas que devem ser obtidas na etapa de levantamento das necessidades do usuário e quais as etapas de projeto?
Em uma primeira etapa devemos observar os seguintes pontos abaixo:
1 – Divisão Correta de ambientes;
2 – Definições das áreas que farão parte do laboratório;
3 – Tipos de produtos que serão manipulados ou analisados no laboratório;
4 – Equipamentos que serão utilizados nas atividades diárias do laboratório;
5 – Número de pessoas envolvidas e que irão trabalhar no dia a dia do laboratório para elaborarmos o fluxo diário de pessoas;
6 – Utilidades tanto para as bancadas bem como para os equipamentos;
7 – Localização da área do laboratório dentro do site da empresa, facilitando assim o fluxo recebimento de amostras, desenvolvimento de amostras, liberação de lotes etc, dependendo da atividade da empresa.
8 – Acessos ao laboratório;
9 – Sistemas de comunicações do laboratórios;
10 – Sistemas de ventilação e climatização dos laboratórios;

Quais os aspectos de segurança devem ser considerados?
1 – Portas amplas com abertura para o lado de fora do laboratório e possuir visores e vidros na parte superior;
2 – Recomenda – se que se tenha mais de uma saída sempre distantes e opostas entre si;
3 – Evitar bancadas no centro do laboratório com medidas acima de 6 metros de comprimento;4 – A disposição dos mobiliários devem sempre facilitar a rota de fuga do laboratório e evitar sempre criar barreiras com bancadas no laboratório;

peterson
Peterson Berner da Cunha

4 – O setor de armazenamento de inflamáveis e cabine de gases devem ser distintas da área operacional do laboratório;

5 – Os armários de inflamáveis regulamentados por norma podem ficar dentro do ambiente do laboratório, porém eles devem ser metálicos e possuir paredes duplas com lã de vidro ao meio. Também devem possuir sistema de exaustão e bandeja de retenção de líquidos;
6 – Áreas quentes devem ser distintas do ambiente do laboratório, para que não atrapalhem a área climatizada;
7 – Deverão possuir chuveiro e lava -olhos as áreas do laboratórios com capelas químicas e de armazenagem de produtos químicos perigosos. Recomendamos que  a instalação do chuveiro seja feita a uma distancia máxima de 10 metros do ponto mais afastado do laboratório.

9 – Capelas de exaustão de gases ou coifas deverão ser usadas nas operações que decorrer algum risco aos usuários do laboratório. Recomendamos que em lugares onde houver riscos de explosões, liberação de gases ou mesmo vapores tóxicos, os trabalhos deverão serem feitos especialmente em capelas.

Levando-se em conta as exigências de órgãos reguladores, quais as características das redes de utilidades (água, ar comprimido elétrica e gases)?
As mesmas devem seguir normas dos órgãos regulatórios, bem como também o pesquisador ou usuário do laboratório deve utilizar materiais que se adequam ao seu dia a dia e ao seu uso principal.
Nas instalações elétricas, água e gases, as mesmas deverão ser externas sempre que possível para facilitar um futura manutenção, procure evitar a

instalação de GLP embutida no forro ou na parede, a tubulação aparente dos gases deve ser sempre feita com tubulação tubo luva. É interessante colocar válvula de bloqueio do tipo fechamento rápido e com fácil acesso para facilitar assim a manutenção das mesmas.

Para um melhor visual estético das bancadas, bem como também para uma maior praticidade na instalação, todos os pontos hidráulico elétricos e de gases devem vir por baixo da bancada.
Nas áreas onde serão manipulados produtos explosivos o melhor é utilizar na parte elétrica materiais à prova de explosão os eletrodutos e conduletes deverão ser identificados com a  cor padronizada ABNT. As tomadas 110V e 220V deverão sempre terem plaquetas de identificação.
Para gases é indispensável um abrigo ao lado externo do laboratório e as identificações tanto das linhas de gases bem como dos volantes das válvulas devem ser identificados por cores seguindo padrão e normas brasileiras;

Quais as normas dos sistemas de exaustão, ventilação, ar condicionado, filtração de ar?
Sistemas de exaustão devem seguir as seguintes normas:
a.     NFPA 45 – Standard on Fire Protection for Laboratories Using Chemicals;
b.     BS 7258 – Part 01,02,03,04 – Laboratory Fume Cupboards;
c.     Z 316.5 – Fume Hoods and Associated Exaust Systems;
d.     ANSI / ASHARE 110 – Method of Testing Performance of Laboratory Fume Holds
e.     ANSI / AIHA Z9.5 – American National Standard for Laboratory Ventilation;
f.      Velocidade Frontal nas Capelas 0,4 a 0,6m/s

A Projlab possui uma capela com lavador de gases interno, única e fabricada no Brasil que adequa o sistema de exaustão ao lavador de gases interno. Essa capela é totalmente patenteada e segue todas as normas de segurança e exaustão através de laudos emitidos pelo IPT São Paulo.

 Redação – Portal Boas Práticas

One thought on “Diretor da Projlab fala sobre a montagem de laboratórios de controle de qualidade

  • Nelson Oliveira

    Excelente informações!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares
×